Regime de caixa e regime de competência: entenda as diferenças

Você sabe quais são as diferenças entre regime de caixa e regime de competência dentro de uma empresa? A correta aplicação desses elementos é de fundamental importância para a gestão financeira e contábil de um negócio.

É possível que haja distinções substanciais na forma como a sua empresa mensura as receitas, impactando diretamente nas questões financeiras e, até mesmo, nas tributárias do seu empreendimento. Entretanto, poucos empresários conhecem bem esses conceitos.

Pensando nisso e na importância que essa definição tem para uma empresa, resolvemos escrever este artigo. Nele, vamos mostrar a diferença e a aplicação de cada um desses conceitos. Confira!

Qual é a diferença entre regime de caixa e regime de competência?

O regime de caixa é um método de mensuração de receitas que considera, para o devido registro contábil e financeiro, o momento exato em que houve a entrada ou a saída de recursos.

Nesse sentido, atos administrativos, como a assinatura de um contrato, não são considerados como movimentações e não há registros quando da data de sua assinatura.

O regime de competência, por sua vez, é aquele em que gastos e receitas são contabilizados na data em que ocorreram, ou seja, no dia em que houve a ocorrência do fato gerador e não, simplesmente, do recebimento ou pagamento do valor.

Nesse sentido, mesmo que a empresa faça uma transação que será paga parceladamente, o valor total desse ato será contabilizado na data em que ele ocorreu.

Em relação a algumas questões fiscais, como o imposto de renda, a legislação considera o regime de competência como o oficial para o registro de receitas ou despesas.

Como cada um desses regimes é utilizado na gestão de uma empresa?

Agora, você deve estar se perguntando: “como isso funciona na prática dentro de uma empresa?”. Isso é o que vamos demonstrar neste tópico. Para tanto, vamos utilizar o exemplo de uma empresa que fez uma compra de mercadorias no valor de R$ 10.000, no dia 1º de fevereiro, para pagamento em 10 vezes sem juros. Continue lendo!

Regime de caixa

Se você utilizar a metodologia do regime de caixa, essa compra deverá ser registrada a cada mês em que o pagamento for realizado. Ou seja, de acordo com os desembolsos que forem sendo feitos para a quitação das parcelas, será efetuada a contabilização.

Regime de competência

Já no regime de competência, o valor total da compra, ou seja, a quantia de R$ 10.000, será integralmente contabilizada na efetiva data em que ela foi realizada, no primeiro dia do mês de fevereiro do ano corrente.

A pergunta é: “qual dos dois regimes utilizar?”. A verdade é que ambos têm pontos fortes e fracos. Sendo assim, o ideal é que você utilize os dois em momentos diferentes.

Por exemplo, para contabilização de pagamentos com recebimentos, você pode utilizar o regime de caixa, pois esse demonstra melhor as entradas e saídas de recursos dentro de uma empresa.

No entanto, você também pode utilizar o regime de competência para contabilizar contratos e demais atos que, futuramente, impactarão nas finanças da empresa. Além disso, esse regime é de adoção obrigatória para os registros contábeis de todo e qualquer tipo de companhia.

Conhecendo bem as diferenças entre regime de caixa e regime de competência, você saberá exatamente qual dos conceitos poderá ser aplicado em seu negócio, melhorando a gestão financeira do seu empreendimento como um todo.

Gostou do artigo de hoje? Que tal continuar aprendendo sobre outra questão importante para ser aplicada em seu negócio? Então, confira o post que preparamos para você. Nele, mostraremos o que são as demonstrações contábeis e qual a importância de conhecê-las.

0 comentários

Categorias

Receba nossos conteúdos por email.

Guia sobre EFD-Reinf para empresas