Transformação digital tributária: o que é e como se preparar?

O avanço da tecnologia atingiu patamares excepcionalmente avançados, as inovações digitais multiplicam a produtividade, a eficiência e os resultados dos negócios. A transformação digital tributária também provocou os mesmos efeitos no cumprimento das obrigações tributárias principais e acessórias.

Diante da importância de os gestores se adaptarem à tecnologia para manter a competitividade no mercado, elaboramos este artigo que descreve o que é exatamente a transformação digital na área tributária, quais são as tecnologias aplicáveis e como você pode se modernizar! Vamos lá?

O que é a transformação digital tributária?

A transformação digital consiste no investimento de tecnologias que impactam positivamente as rotinas e os processos de uma organização. Elas podem automatizar tarefas, integrar sistemas e banco de dados e garantir maior segurança das informações, entre outras diversas finalidades.

O sistema tributário brasileiro é um dos mais complexos e extensos do mundo. Assim, a tecnologia é essencial para o correto cumprimento das obrigações da área.

O Governo Federal já tem investido na aplicação de tecnologias que auxiliam os Fiscos municipais, estaduais e da União a tornar seus processos integrados, mais céleres e eficientes. Entre elas, está o SPED e seus módulos como a Nota Fiscal Eletrônica, SPED Fiscal, ECF, eSocial etc.

Esse avanço da tecnologia na área tributária também impulsionou ainda mais o desenvolvimento de softwares que automatizam o processamento de dados, isso garante uma ampla gama de benefícios, como:

  • agilidade na execução de tarefas;
  • minimização de falhas;
  • maior foco no core business (atividade-fim do negócio);
  • segurança nas informações;
  • mobilidade, permitindo acessar dados de qualquer lugar;
  • melhoria na tomada de decisões.

Quais são as principais ferramentas e tecnologias?

Inteligência artificial (IA)

A Inteligência Artificial consiste na simulação do raciocínio humano por aplicações e equipamentos que operam quase sem a intervenção humana. Com essa tecnologia é possível automatizar diversos processos de análise e operações tributárias.

Por exemplo, a IA pode controlar automaticamente as tarifas alfandegárias de mercadorias, os computadores classificam as informações de vários sistemas rapidamente, o que aumenta a produtividade e reduz riscos que geram multas.

Business Intelligence (BI)

Essas soluções digitais coletam dados dos sistemas internos da empresa ou de fontes externas com o objetivo de promover análises complexas a favor da empresa. Essa é uma tecnologia bastante utilizada no marketing, porém tem aplicações úteis na área tributária.

Uma plataforma BI integra o sistema da empresa com a gestão fiscal e tributária para disponibilizar estatísticas e relatórios gerenciais rapidamente. As informações auxiliam o gestor a tomar as melhores decisões quanto ao pagamento de tributos, escolha do regime tributário, aproveitamento de benefícios etc.

Robotic Process Automation (RPA)

A robótica consiste na automação de operações rotineiras. Essa é uma das tecnologias mais impactantes para a otimização da área tributária, já que os computadores realizam cálculos automaticamente, geram arquivos, declarações e guias sobre obrigações tributárias e muito mais.

Os computadores ainda são capazes de realizar um grande volume de trabalhos simultaneamente, rapidamente, sem erros e atrasos no cumprimento das obrigações. Alguns exemplos do que pode ser automatizado são balanços, emissão de guias, cálculos de tributos etc.

Computação em nuvem

Essa tecnologia se resume na utilização de servidores de outras empresas para realização das operações em seus computadores. O sistema poderá ser acessado de diversos dispositivos, como smartphones, tablets, notebooks etc.

Isso reduz custos com investimento em computadores e servidores potentes, como também traz mais segurança aos dados, pois elimina os riscos de perda de documentos por furtos, desastres naturais (como enchentes) etc.

Como se preparar e adaptar a empresa às mudanças?

A adaptação da empresa às mudanças é importante pelo fato de que, como a área tributária é uma operação complexa, os negócios que utilizarem as tecnologias conseguirão vantagens competitivas substanciais.

Para aderir à transformação digital, é preciso escolher o software cujas funcionalidades sejam capazes de maximizar a produtividade do negócio e reduzir ao máximo suas burocracias na área tributária. Portanto, um bom sistema de gestão deve ter ferramentas como:

  • registro de notas de entradas e saídas automaticamente, bem como importação de NFe e CTe pela chave ou XML;
  • apuração de ICMS, PIS/COFINS, IPI e tributos do Simples Nacional;
  • integração com SPED ICMS/IPI, SPED contribuições, SPED contábil;
  • controle automatizado dos livros contábeis e fiscais;
  • entre outras automações e auxílios em relação às burocracias tributárias.

A transformação digital tributária criará um forte diferencial competitivo ao seu negócio, mas para isso é fundamental escolher um software de gestão capaz de atender as necessidades de seu negócio.

Gostou do nosso conteúdo? Então, siga nossas páginas no Facebook e Instagram para ficar por dentro de mais novidades como esta!

0 comentários

Categorias

Receba nossos conteúdos por email.

Guia sobre EFD-Reinf para empresas